Ads Top

Cruzeiro, a capital da Revolução de 32

Bem-vindos a Cruzeiro! Localizada a 220 km da capital paulista, a cidade nasceu a partir de uma ferrovia que ligava os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Mas antes disso, vale lembrar um pouco dos fatos antes da inauguração da estação que faria a cidade crescer e alcançar a sua autonomia administrativa.

Rotas comerciais definidas pelos mineiros que atendiam aos Portos de Parati e Mambucaba fizeram com que surgissem roças dedicadas a fornecer produtos aos tropeiros numa região denominada “Embaú”.

Nesta área, o o sargento-mor Antônio Lopes de Lavra iniciou, em 1781, a construção da capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição do Embaú, concluída seis anos depois. E ao lado da capela, um povoado se formou e nele passaram a comercializar produtos locais, contribuindo para o aumento do núcleo urbano. Em 1846, foi criada a Freguesia de Nossa Sra. da Conceição do Embaú.

No ano de 1871, a Freguesia foi elevada a categoria de município com o nome de Conceição do Cruzeiro, fazendo uma associação com a padroeira da cidade e o antigo marco divisório, em forma de cruz, construído no alto da serra entre São Paulo e Minas Gerais. No mesmo ano, a E.F. Dom Pedro II chegou a Sto. Antonio do Porto da Cachoeira (atual Cachoeira Paulista). Mas o prolongamento desta passava a oito quilômetros de Conceição do Cruzeiro e não era possível a alteração do traçado.

Diante disto, qual a solução? Uma estação foi aberta na Fazenda Boa Vista e nela se formou um novo povoado que passou a se chamar Estação Cruzeiro.





A estação de Cruzeiro foi aberta em 1878 e a partir de 1884, passou a ser o ponto de partida da E.F. Minas e Rio – que tinha esse nome porque deveria sair de uma estação na Província do Rio de Janeiro, mas saía de Cruzeiro mesmo – que levava até Três Corações, em Minas, e daí além. Essa estrada teve o nome alterado inúmeras vezes, passando a fazer parte, por exemplo, da Rede Mineira de Viação.






Entre 2000 e 2001, saía de Cruzeiro um trem turístico a vapor, de iniciativa da ABPF, que seguia para a cidade mineira de Passa Quatro. Um desabamento logo após o túnel na divisa dos dois Estados levou o percurso a ser feito somente em território paulista, até o túnel. Em dezembro de 2001, entretanto, o trem a vapor foi suprimido por falta de apoio financeiro da Prefeitura e este sofre a ação do tempo.





Segundo o site Estações Ferroviárias, foi anunciado em 24/6/2009, que “a cidade de Cruzeiro foi a primeira do país a ganhar a escritura definitiva dos prédios da antiga rede ferroviária. Os espaços antes abandonados agora vão dar lugar a projetos de turismo e cultura (…) O antigo galpão de 14 mil metros quadrados, que armazenava peças e maquinários, será transformado num centro de convenções.
Os outros três, possivelmente serão destinados a instalação de uma faculdade. A estação vai funcionar como Secretaria de Cultura e Turismo, o antigo armazém vai virar um museu ferroviário, além de um espaço reservado para o curso de restauro ferroviário. É ver prá crer!






Um outro resquício dos áureos tempos da ferrovia é o atual Centro Cultural Rotunda. Era o local de abrigo, manutenção e manobras de locomotivas e vagões. Foi utilizada, até a década de 1980, para manobras dos trens que faziam o percurso Cruzeiro-Sul de Minas e, ainda, para recuperação de locomotivas a vapor.

Após o fim da circulação dos trens de passageiros, foi desativada e seu prédio abandonado por longos anos. Em 1991 seu terreno foi desapropriado pela Prefeitura Municipal, mas somente a partir de 1993 foram liberadas as obras para as reformas necessárias, o que ocorreu com apoio da Fundação IOCHPE.

O Centro Cultural conta com exposições fotográficas e de réplicas de locomotivas e abriga a Biblioteca Municipal Profª Marlene Sampaio Pinto. No local, ocorrem cursos de teatro, artes plásticas e caricatura, além dos cursos de culinária, crochê, bordado e artesanato para famílias carentes, em parceria com o projeto Renda Cidadã e com a Secretaria de Assistência Social. Ocorrem, também, no local, eventos diversos.
Paço Municipal
Em 1890, por considerar de utilidade pública, o Governo desapropriou os terrenos compreendidos no distrito policial, criado dois anos antes, totalizando 36,5 hectares e em 1901 a sede do município foi transferida de Conceição de Cruzeiro para a Estação Cruzeiro. Cinco anos depois, Cruzeiro foi elevada a categoria de cidade.

Cruzeiro e a Revolução de 32





Um importante marco histórico de Cruzeiro foi o de ser o último município a se render na Revolução Constitucionalista de 1932. Foi nessas terras que foi assinado o seu armistício, no dia 2 de Outubro de 1932, na atual escola Arnolfo Azevedo (na época transformada em quartel-general das tropas paulistas), localizada na região central da cidade.


Soldados paulistas após a tomada do Túnel da Mantiqueira na divisa entre São Paulo e Minas Gerais. Revista da Semana de 01 de outubro de 1932.


Por estar na divisa com o estado mineiro, delimitado pelo Túnel da Mantiqueira, o município foi palco de importantes batalhas entre as tropas federais e constitucionalistas. Em 2008 a cidade de Cruzeiro recebeu através da lei estadual 13.203 o honroso título honorífico de “Capital da Revolução Constitucionalista de 1932”.

Hoje em dia

A cidade atualmente tem um pólo industrial e comercial movimentado. Cruzeiro recebe visitantes de três capitais da Região Sudeste e cidades importantes do Sul Fluminense, Sul de Minas e da região a qual faz parte, o Vale do Paraíba Paulista.

Como chegar

Para quem vem do Rio, siga pela Via Dutra até o acesso a Lavrinhas, pela Rodovia Estadual Júlio Fortes. Por essa rodovia, siga até o acesso a Rodovia Gov. Jânio Quadros e depois o visitante deve seguir até o acesso a Rodovia Nesralla Rubez. Mais alguns metros e bem-vindo a Cruzeiro.

Para quem vem de São Paulo, siga pela Dutra até o acesso a Estrada Municipal Cachoeira Paulista-Cruzeiro. Por esta siga até o centro da cidade.

Linhas de Ônibus 


A Pássaro Marrom atende Cruzeiro com linhas para cidades do Vale do Paraíba e São Paulo.



A Viação Cidade do Aço atende linhas para o Sul de Minas, Sul Fluminense e Rio de Janeiro .



A Rodoviário e Turismo São José, que atende as linhas urbanas da cidade e a União Transporte Interestadual de Luxo S/A, mais conhecida por UTIL e Viação Cometa S.A que atendem linhas para o Sul de Minas (Monte Sião, Varginha, Pouso Alegre, Cruzília, Andrelândia, Conceição do Rio Verde, Lambari, Caxambu).





Por Luiz Antonio Doria

Nenhum comentário:

Olá!

Sua opinião é muito importante para nós. Esperamos sua visita por aqui mais vezes.

Grande abraço e tudo de bom!

Tecnologia do Blogger.