Relatos de Viagem etc.

Temos neste exato momento lendo as nossas notícias





O Pau da Fome

Por Paulo Eduardo, com informações do INEPAC. Revisão de Luiz Antonio Doria

Muitos já ouviram falar, mas a maioria não conhece.

Ao se deparar com um ônibus  da Transcarioca/Santa Maria com toda certeza você  já se perguntou onde fica o lugar ostentado na vista principal da linha 764, que sai de Madureira e vai até o Pau da Fome, em Jacarepaguá.

Pau da Fome?? Onde é isso? O Pau da Fome é um lugarejo da Zona Oeste do Rio na baixada de Jacarepaguá. A origem deste pitoresco nome vem do habito que alguns tropeiros tinham: O de fazer refeições embaixo de uma figueira. Costumavam dizer “Estamos no páo da fome

Curicica, Cidade de Deus, Praça Seca, Anil, Pechincha, Freguesia…em algum momento já ouvimos falar desses lugares, em algum momento já ouvimos falar de Jacarepaguá. Essa região compreendida na Zona Oeste da cidade é proporcional a um município e famosa por suas lagoas, pelo RioCentro e pelo Autódromo.

Mas a região também traz lugares não menos conhecidos como Pau da Fome, Camorim entre outros. Mas destaco esses dois, pois tanto em um quanto o outro estão as bases do Parque Estadual da Pedra Branca, mas hoje vamos falar um pouco do Pau da Fome.

O principal acesso ao Pau da Fome se dá a partir da Taquara – espécie de capital de Jacarepaguá – pela Estrada do Rio Grande, em menos de 15 minutos chegamos ao Largo da Capela.

Este referido Largo é um ponto de referência importante na região, pois aqui temos o entroncamento que marca o fim da Estrada do Rio Grande (que vem da Taquara) e o inicio da Estrada dos Teixeiras (que dá acesso ao Bairro Teixeiras e o Boiúna), da Estrada do Rio Pequeno (que dá acesso ao Hospital Santa Maria) e da Estrada do Pau da Fome (que dá acesso a localidade homônima e ao pórtico da Reserva da Pedra Branca).

A Região conhecida pela concentração de pessoas com poder aquisitivo relativamente bom. Isso se reflete nos casarões, em alguns condomínios fechados e ao sair da Taquara e acessar a Estrada do Rio Grande isso já pode ser sentido, e na Estrada do Pau da Fome a partir da Capela também.

Na Estrada do Pau da Fome fica a Subestação de Jacarepaguá de Furnas. Ao fundo, timidamente, podemos ver o maciço da Pedra Branca e a partir deste ponto a Estrada do Pau da Fome se inicia numa leve subida que se acentua até o seu final na entrada da Reserva.

A Santa Maria fica responsável por fazer o vai e vem entre Madureira e Taquara para o Pau da Fome com a sua 764, que tanto tem saídas de Madureira e uma parcial que sai da Taquara, a linha é basicamente operada por micros e resiste bravamente à concorrência do Transporte Alternativo,  que persiste por muitos anos.

Maciço da Pedra Branca

 Ao longo da caminhada fui apreciando as belezas da região. No caminho para o Pau da Fome, avistei o maciço da Pedra Branca ao fundo, ponto culminante da capital com 1024m de altitude que fica na Serra do Bangu.

Neste ponto fica o ponto final do 764 e das Kombi que fazem a ligação da Taquara para o local, a partir daqui o trecho deve ser feito a pé ou de carro.A região do Pau da Fome possui muitos sítios e alguns clubes pertencentes a empresas pude passar pelo ao menos por uns dois: um que era de um sindicato e outro da Telemar.

Nesse ponto da foto acima, já sentia o cheiro do verde e poderia ouvir o barulho das quedas d’agua vindo de dentro da Reserva e isso estava me deixando muito tentado, logo pude avistar uma placa de aviso aos freqüentastes e visitantes do Parque.

Entrada do Parque. Foto: Paulo Eduardo

Depois de mais ou menos 30 minutos caminhando partindo do Largo da Capela chego ao final da Estrada do Pau da Fome, na entrada do Parque Estadual da Pedra Branca. Bem vocês podem estar peguntando: ” – pô..o cara vai até a entrada do Parque e não entra??” Bem, o horário já estava elevado e para fazer visitas ao parque é necessário agendar com a administração.

A parece que a partir deste ponto das fotos do portico podemos pegar uma trilha onde podemos sair na base do Parque que fica em Realengo no fim da Rua do Governo, da base do Camorim parece ter uma trilha que vai pra Campo Grande saindo lá pelas bandas do Rio da Prata.

A trilha principal almejada por muitos e por este humilde colaborador que é subir até o ponto culminante, no topo do Pico da Pedra Branca a 1024m de altitude.  O Parque da Pedra Branca merece um material a parte. Alias não só um e sim varios, pois a aréa é muito extensa e rica, com muitas trilhas.

Grande abraço e tudo de bom!




11 Comentários para “O Pau da Fome”

  1. Gostei muinto do seu site,e principalmente dessa materia. Somos busologos e gostaria de reproduzi-la em nosso blog (loukosporonibus.blogspot.com) caso autorize iremos manter os creditos.
    obrigado

    Marion

  2. doria
    Olá marion!

    Vou conversar com o autor dessa matéria e segunda-feira te retorno, ok?

    Grande abraço e tudo de bom!

  3. doria
    Olá, Marion.

    Tá autorizado. Conversei com o autor da matéria e pode reproduzir, com o crédito a Paulo Eduardo (RdV Etc.), ok?

  4. Ah, rapaz!!
    Bom ver que o Pau da Fome continua o mesmo que visitava em idos dos anos 90… A bucólica localidade era casa da baterista da banda de rock que tentei ter na época, e cenário para ensaios e boas lembranças…
    Grande abraço, e tudo de bom :)
  5. Elaine Paiva de Araújo
    Eu sou uma eterna apaixonada por esse lugar…
    Tenho ótimas recordações de lá e sinto muitas saudades de lá também.
    Lá fiz alguns amigos e conheci o amor da minha vida.
    Fizemos ótimos passeios lá e também fomos muito felizes!!!
    Quem puder visitar este local não irá se arrepender, pois Pau da Fome é um belíssimo lugar e as pessoas de lá são muito agradáveis!!!
    Ôôô saaaaaaaudaaaaaaaaaaade!!!!
  6. Suellen
    Adorei essa matéria! Amo este lugar!!! Moro a 8 anos no Pau da Fome e me apaixono pela naturaza cada dia que passa.. lugar tranquilo.
    ô delícia de lugar!!!
  7. Felipe
    qual e o telefone do sitio
  8. ELISABETEBONFIM
    queria muito mora em pau da fome eu ja resido em jacarepagua ,conheci por foto com uma amiga que reside no local quero saber mas se tem , se tem lotes para venda gosto muito da natureza.
  9. Zé das Couves
    Sou Busólogo e paulista, estava procurando fotos de ônibus do Rio quando me deparo com um Mega da Sta Maria seguindo para o estrambótico Pau da Fome. De inicio achei que seria apenas mais uma foto para minha coleção de ônibus com destinos estranhos, já tenho fotos de ônibus para “Cavalinho via Queijo bom”, “40 Casas”, “Queima Sangue”, “Peladas via Terra da canjica gigante”, “Saco dos Limões” “Queira Deus via Baú da Felicidade – (Não é a loja do Sissi)” e agora mais esta. No entanto fiquei encafifado e resolvi pesquisar por ai, imaginando que Pau da fome seria uma comunidade carente perdida pelos grotões da Baixada e eis que me deparo com um lugar bucólico e extremamente pitoresco. A ideia que as imagens passam é de uma tranquilidade e frescor tão grande que imagino eu, nem mesmo o calor carioca consegue entrar em Pau da fome. Deve ser um lugar parecido com nosso cafundó de Engenheiro Marsilac, ponto final da longínqua 6L01 conhecida por ter o ponto final mais extremo de São Paulo e onde um copo de café ainda custa 0,50 Centavos.
    Parabéns a quem fez a matéria que ficou brilhante. tenho uma prima em Niterói e se um dia for visita-la (Assim que o calor carioca ficar suportavel para um paulista que detesta calor) além de conhecer Vila Inhomerim, terei que dar um pulo ao Pau da fome e matar a fome de conhecer este lugar tão simpático.
  10. Guilherme
    Show de bola! Adorei a matéria, principalmente a visão do Maciço da Pedra Branca ao fundo. Mesmo em uma cidade grande como o Rio, ainda temos uma paisagem de um espaço rural do passado.
  11. Wesley384
    Eu moro no Boiúna (bem pertinho aí do Pau da Fome) e esse lugar realmente é fantástico. Adoro pedalar por aqui.

    Quanto o acesso ao parque é bem simples. Basta procurar no google o telefone do “Parque Estadual do Maciço da Pedra Branca” e agendar uma visita, ou então, nos finais de semana, fique lá na porta do parque esperando algum grupo e aí dá p ir junto. Os guias são super gente boa, e justamente por causa desse controle podemos desfrutar de cachoeiras praticamente intactas.

Você deve estar logado para poder comentar Login

Entrar | Desenvolvido por Guilherme SC e André Moreira