Ads Top

A Barra do Rio Pirahy

E enfim, chegamos a Barra do Piraí - uma das cidades que eu mais tenho apreço, pela sua hospitalidade, tranquilidade e pelas suas bem aprumadas ruas.


Barra do Piraí no ano de 1880: Ao fundo, a antiga Ponte Ferroviária.

Localizada a 100 km da capital fluminense, Barra do Piraí já foi e ainda é - não como antigamente - uma das mais influentes e importantes cidades do Centro-Sul Fluminense. Mas, pera lá: Teria ela alguma ligação com a bela Piraí? Quando ela se tornou cidade, ela se desmembrou de sua vizinha Piraí ou de Valença? Essas e outras perguntas, o RdV vai procurar responder!

Antes de começar, pergunto aos meus amigos visitantes: O que é uma Barra?

O verbete "Barra" - na área da geografia - é um lugar onde um rio se lança em outro. O rio Paraíba do Sul se une ao rio Piraí, formando assim a sua foz em terra barrenses. Daí a origem de seu nome.

Os primeiros relatos sobre as terras que compõem o município datam de 1843, quando o fazendeiro Antônio Gonçalves de Moraes adquire um sítio as margens do rio Piraí, denominado de "Barra do Piraí". Antônio, na época, já era o proprietário da Fazenda São João da Prosperidade na localidade denominada "Ipiabas".

Em 1853, Antônio Gonçalves constrói uma ponte sob o rio Piraí e com esta iniciativa se formou o povoado de São Benedito, na vizinha Piraí.

E o trem chega a São Benedito

Em 1864, os trilhos da Estrada de Ferro Central do Brasil chegam a São Benedito alavancando o desenvolvimento local. A Estação tinha como finalidade escoar a produção cafeeira do Vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro.

A Estação de Barra do Pirahy foi inaugurada pelo Imperador e além de escoar a produção cafeeira, tinha como objetivo ser o maior entroncamento ferroviário do Brasil.

Oficina de Manutenção de Locomotivas, a alguns metros da E.F. de Barra do Piraí. Na foto abaixo, vemos como era a rotunda - cruzamento circular de duas ou mais vias - de Barra do Piraí
De Barra do Pirahy partiam trens para São Paulo (Ramal de São Paulo) e Minas Gerais (Rede Mineira de Viação - RMV e Linha da Barra, ligando Soledade de Minas à Passa Três). Também havia ligações para a capital fluminense e o saudoso Barrinha - trens de passageiros que ligava Barra do Piraí a Japeri.

Sub-Estação nº 5 da EFCB, hoje sob a propriedade de MRS Logística.
Estabelecimentos comerciais despontavam e nasciam, armazéns de café armazenavam produtos e vários gêneros alimentícios chegavam a Barra do Piraí para seguir viagem para o Rio de Janeiro. Com o advento do transporte ferroviário, a exportação de café teve seu fluxo reduzido mas Barra do Piraí continua sendo um entroncamento ferroviário e o ponto predileto dos viajantes que pernoitavam em um hotel próximo a estação (Será que é por isso que este viajante tem um apreço pela cidade?).

Próximo a Subestação, temos um relógio que foi recuperado nas oficinas da mesma em 1968.

Em 1881, chegavam os trilhos da Estrada de Ferro Sta. Izabel do Rio Preto - que virou E.F. Sapucahy, Rede Sul-Mineira e enfim, RMV - Rede Mineira de Viação - por meio de uma ponte metálica sob o Rio Paraíba do Sul...

...que já não tem mais trilhos, mas ainda mantém sua beleza e enfeita de forma soberba a paisagem piraiense.

Igreja Matriz de São Benedito, erguida em 1943.
Mas antes, em 1879, a Estrada de Ferro Piraiense havia construído uma ferrovia ligando o povoado de Barra do Piraí à sede do município: Piraí. Com três ligações ferroviarias o povoado crescia e desenvolvia de forma impressionante, tornando-se o centro comercial do Vale do Paraíba. Mas apesar disso, ela pertencia a dois municípios.

Em 1885, enfim, o povoado foi elevado a categoria de Freguesia...a Freguesia de São Benedito de Barra do Piraí.


Catedral de Sant´Anna: Erguida em 1881, sua pedra fundamental foi lançada na presença de Dom Pedro II.

Enquanto isso...o povoado de Santana crescia a olhos vistos...Mas nem com a ajuda do Barão do Rio Bonito - que construiu a Igreja de Sant´Anna e o Beco da Carioca - a vila de Barra do Piraí não conseguiu a elevação para município.


Igreja Santo Cristo dos Milagres.

É que os municípios de Piraí e Valença se beneficiavam - e muito - dos lucros advindos das estradas de ferro e para isso, utilizaram muito a sua influência política junto ao Império.




E enquanto as fazendas de café - e as cidades de Três Rios, Valença, Piraí, Vassouras, Resende, Paraíba do Sul e Piraí - entram na roda da decadência, Barra do Piraí crescia e nem sentia os efeitos da crise cafeeira, devido ao seu importante entroncamento ferroviário.

A Emancipação e as divisões pólitico-administrativas


Uns três meses após a proclamação da república, Barra do Piraí consegue a sua emancipação: No dia 10 de março de 1890, a vila tornava-se município formado pela Freguesia de Barra do Piraí e pelos distritos de Dores do Pirahi, Turvo, Vila dos Mendes e Vargem Alegre.

Mais tarde, em 1911, o Pirahi de "Dores" torna-se Piraí. Em 1933, Dores do Piraí e Turvo mudam de nome: Passam a se chamar Nossa Sra. das Dores do Piraí e São José do Turvo.

Em 1938, o Piraí de "N.S. das Dores do Piraí" é suprimido passando a se chamar apenas "N.S. das Dores" e "São José do Turvo" volta a denominação inicial.

Em 1941, Barra do Piraí aumenta de tamanho: Conservatória e Ipiabas são anexados ao seu território, Turvo volta a se chamar "São José do Turvo" e Nossa Senhora das Dores passa a se chamar "Dorândia".

Em 1947, Conservatória é transferido para o município de Valença e em 1952, a vila dos Mendes torna-se a cidade de Mendes.

Atualmente, Barra do Piraí é composta com pelo distrito-sede, Dorândia, São José do Turvo, Califórnia, Vargem Alegre e Ipiabas.



E para Ipiabas vamos nós!

Ipiabas, o caminho para Conervatória

E depois de cruzarmos a BR-393...

...nos encontramos novamente com a RJ-137, agora a "Canção do Amor" que não lembra em nada aquela estrada sem sinalização e sem asfalto que encontramos no caminho para Barra do Piraí.

No caminho, passamos por uma das fazendas históricas dos tempos dos Barões do Café: A São João da Prosperidade. E depois, de uns dois - aproximadamente - quilômetros de tapete que não consta na outra parte da Canção do Amor...

...chegamos a Ipiabas!

Ipiabas foi anexada ao território barrense no ano de 1943, mas em 1849 era denominada "Curato de Nossa Senhora da Piedade de Ipiabas". Não sei se já expliquei aqui, Curato era um povoado que detinha condições para virar uma Freguesia ou um distrito de um município.

E Ipiabas tinha...tanto que tornou-se freguesia por meio de Lei Provincial. A de número 693, assinada em 27 de setembro de 1852.
As montanhas que cercam o distrito de Ipiabas
Em 1922, passou a se chamar Pandiá Calogeras - primeiro civil a exercer o cargo de Ministro da Guerra no governo de Epitácio Pessoa - mas voltou a sua denominação original em janeiro de 1923. Um resquício desse período pode-se ver...


...no nome da antiga estação ferroviária da localidade: De perto, pode-se perceber o "improviso" que fizeram ao pintar "Ipiabas" em cima de "Pandiá Calógeras".
A Estação - inaugurada em 1881 - foi inaugurada sob a tutela da E.F. Santa Izabel do Rio Preto...
...e daquele tempo restou a estaçãoas casas de turma da antiga ferrovia...



...e o Túnel de Ipiabas, que foi construído em 1883 por escravos e foi inaugurado com a presença ilustre do Imperador Pedro II

...Epa! Cadê os trilhos? Eles não existem mais e a Estação foi desativada em 1961.
A Estação hoje serve como sede da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro.
E mais a frente...segue o caminho para o refúgio dos seresteiros, a bela Conservatória.

Dica do Viajante

A dica do Viajante - e do Andarilho também - é o Restaurante Mistura Fina, sito a Rua Paulo de Frontin, nº 148.

Com um cardápio variado, agradou em cheio o nosso paladar: Recomendamos o feijão "Ingá"...quer dizer, Feijão Sujo e a Lasanha Mista, com generosas fatias de presunto, sete fatias de queijo e muuuuuita carne. É de lamber os beiços!

Agradecemos a atenção dos proprietários do estabelecimento: Márcio e Sérgio. Valeu rapaziada!

Como Chegar



Túnel de Ipiabas
Vindo do Rio de Janeiro: Além daquele outro caminho percorrido pelo RdV, a principal opção é seguir pela Rodovia Presidente Dutra até o acesso para a cidade de Piraí. Adentrando no centro da cidade, siga pela RJ-145 mais 25km até o Centro da Cidade.
Vindo de São Paulo: Pela Rodovia Presidente Dutra siga até o acesso a BR-393, já no município de Barra Mansa. Pela BR-393, você seguirá pela Lucio Meira, Av. dos Trabalhadores, Getúlio Vargas para sair de novo na BR-393 e por esta seguir até o acesso a RJ-145, na Rua Mário Salgueiro. Pela RJ-145, seguir até a Rua Angélica e pegar a primeira a esquerda para passar pela Pte. Pres. Getúlio Vargas. Daí por diante, Bem-Vindo a Barra do Piraí.

Vindo de Belo Horizonte: Siga pela BR-040 até o acesso a BR-393/Etr. União e Indústria, depois esquerda para seguir na BR-393 e direita em seguida na Estr. da Glória, permanecendo nesta para retornar na BR-393. Na rotatória, pegue a 3ª saída para a R. José A Pimenta, para continuar na Luiz Barbosa e virar a esquerda na Dr. Morais Barbosa. Vire a direita na Lúcio Mendonça, depois segunda a esquerda na Av. Governador Portela e vire a direita para permanecer nesta. Continue na Av. Paulo de Frontin e bem-vindos a Barrinha!
Tela cheia
Linhas de Ônibus

Viação Progresso (Clique no link para conferir os horários no site da empresa)

Vassouras x Barra do Piraí
Petrópolis x Barra do Piraí
Juiz de Fora x Barra do Piraí
Três Rios x Barra do Piraí


Barra do Piraí

MP10 Paracambi x Barra do Piraí (Via Ipiranga ou Via Morsing)

Salutaris

São Paulo x Barra do Piraí (Saídas às 23h30)
Campinas x Barra do Piraí

J.C Guimarães

P415 Barão de Juparanã x Barra do Piraí

Aparecida

Barra Mansa x Barra do Piraí
Califórnia x Barra do Piraí

Util (Clique no link para conferir os horários no site da empresa)

Belo Horizonte x Barra do Piraí
Barbacena x Barra do Piraí
Conselheiro Lafaiete x Barra do Piraí


Ei, psiu...pensam que acabou? Cabou não, viajantes e visitantes do RdV. A minha Barrinha não é só conhecida...

...pela ferrovia...

"Aê, seu andarilho...sei que tem um vascaíno no RdV. Então a vista é em homenagem a ele! Vamo Subir VASCOOOOO"

...mas também tem muito ônibus por aqui. E esses doidos vão mostrar eles e um pouco mais no CANTINHO DO BUSÓLOGO, certo?

Parafraseando o "Planeta dos Macacos": O passarinho tá ceeeeerto!

Grande abraço!

Texto: Luiz Antonio DoriaFotos: Alexandre Bernardes, Luiz Antonio Doria e Rodrigo Silva
Agradecimentos especiais a Jorge Alves Ferreira Jr.
Fotos antigas de BPI, acervo Museu da Biblioteca Nacional.

Fonte Pesquisa: CNM, Google Maps, Wikipedia e Estações Ferroviarias



Um comentário:

  1. sou um barrense fora de barra do pirai e mato minha saudade em blogs como este. agradeço a sua contribuição para a melhor cidade do mundo. e gostaria de ver mais novidades. abraços

    ResponderExcluir

Olá!

Sua opinião é muito importante para nós. Esperamos sua visita por aqui mais vezes.

Grande abraço e tudo de bom!

Tecnologia do Blogger.