Ads Top

E tem mais de Rosário x Aguapeí...Os Bastidores e Making-Of do LADO B!

E como estava se falando em Plasser&Theurer, lembra que no meio do Caminho para Guapimirim, havia uma reguladora que estava por trás dessa socadora??? Pois é, essa socadora foi a máquina que escolhi para registrar enquanto estava dentro do trem na primeira viagem.

Mas a reguladora, em matéria de imagem, fiquei devendo mesmo contando com a compreensão de todos de que da janela do trem não seria realmente possível fazer melhor. O detalhe que vale é que essa reguladora eu fotografei em Saracuruna, na terceira viagem. Na ocasião, a companheira inseparável, ou seja, a socadora austríaca estava atrás dela (Sem trocadilhos, por favor eheheheheheheh).


E em meio a tantos trilhos desgastados pela ação do tempo, vemos porque Guapimirim é uma terra abençoada: Ao fundo, pode se avistar o dedo de Deus!


Próxima estação, GUAPIMIRIM !!! Estação terminal. Ao desembarcar, observe atentamente o espaço entre o trem...

...e a plataforma (É bom ter muuuuuita atenção no espaaaaaço entre os dois!).


Os vagões da CENTRAL nestas cores fizeram parte da terceira e quarta viagens.

Há apenas dois vagões nessa coloração, o U270 e o U364, tanto que engataram o cinza U284 para completar a composição.

O detalhe que vale é que esses vagões são da marca PIDNER, mas o que explicaria a aparição dessas peças da Metropolitan Vickers (a fabricante norte-americana dos vagões SuperVia Série 400) ?

A peça da Metropolitan Vickers, no vagão vermelho U-364 da CENTRAL, fica localizada próxima das portas de passagem de um vagão para outro, nos dois lados, um pouquinho acima da altura do piso dos vagões.

Lembra daquela cena de abandono da Estação Visconde de Itaboraí?

Em Guapimirim, também constatamos o mesmo abandono do outro lado da baía de Guanabara: Antigos vagões da CBTU, em avançado estado de decomposição.

Nessa foto podemos ver que eles ficaram mesmo é para semente, visto que algumas plantinhas já crescem em meio às ferrugens, ops, digo, ferragens, contribuindo assim para o meio ambiente...contribuindo para que Guapimirim continue sendo o Paraíso Verde.

Se assim for, como seria um vagão recoberto de plantas,tal qual um muro recoberto de cipreste?

Agora vejam vocês essas duas imagens abaixo

A primeira foto mostra o interior de um vagão no Ramal Visconde de Itaboraí e a foto acima, o interior de um dos vagões parados em Guapimirim.

Ainda há o que salvar em Guapi, antes que acabe como Itaboraí...

E já fora da estação, uma descoberta da última viagem: O que hoje é apenas uma residência familiar...

...Já foi uma propriedade da extinta RFFSA, certamente residência de algum funcionário na época em que a rede estava a todo vapor !

E voltando para a Rua Mario Alves, andando mais uns 100m, chego à PRAÇA NITERÓI, bem na esquina com a Estrada da Caneca Fina no seu início, com um boa visão de um Neobus Mega IV MB OF1722/59, n.º RJ203.004, da Viação Teresópolis, saindo da Rua Ângela Maria.

E conforme indica a placa acima, à esquerda, indo pela Estrada da Caneca Fina, depois de passar ora por condomínios fechados (praticamente cidadelas), ora por casas humildes, chega-se ao homônimo bairro, bem como também ao Parque da Serra da Caneca Fina, que fica bem depois do asfalto.

O bairro Limoeiro, também indicado na mesma placa, fica localizado à esquerda da estrada da Caneca Fina, depois de mais ou menos 1km da Praça Niterói, acessado pela Estrada do Limoeiro, na esquina, O destaque deste bairro fica por conta das sedes campestres de alguns sindicatos, na via principal, a Estrada do Limoeiro.

E logo próximo à Praça da Emancipação, em pleno Centro, pode se ver o verde que cerca a cidade...
... MUITO VERDE POR SINAL !!! Ainda mais com um Ciferal Turquesa MB OF1417/52 da Paraíso Verde com destino ao bairro CAPIM!

É isso aí! Obrigado a você que nos visitou e viajou conosco nesta série!

Até a próxima! Grande abraço e tudo de bom!

Texto e fotos: Diego Barbosa e Luiz Antonio Doria
Revisão: Luiz Antonio Doria

Um comentário:

  1. Tomada Metropolitan vickers.
    Estes carros foram fabricados pela Pidner nos anos 70, em Minas Gerais, esta é uma tomada de energia elétrica para alimentação dos carros. provavelmente foi retirada de um dos TUE série 100 que operavam na bitola estreita, tem alguns abandonados em Itaboraí.
    Os TUE série 100 e 200 da EFCB foram fabricados pela M.Vickers, não os TUE série 400.
    A Metropolitan Vickers era inglesa.

    ResponderExcluir

Olá!

Sua opinião é muito importante para nós. Esperamos sua visita por aqui mais vezes.

Grande abraço e tudo de bom!

Tecnologia do Blogger.