Ads Top

Museu do transporte coletivo: 100 anos rodando pelas ruas, avenidas e estradas brasileiras

E não é só de novidades que vive a Fetransrio, ela também vive do passado...

...para comemorar os 100 anos do Ônibus no Brasil, foram expostas minaturas e alguns modelos raríssimos de ônibus que consolidou uma nova forma de se locomover pelas estradas, ruas e avenidas brasileiras.
Muita gente parou pra ver e se deliciar com miniaturas que fazia muito marmanjo voltar no tempo e relembrar os áureos tempos do transporte de passageiros no Brasil e a história do Ônibus.

E tudo começou com ele, o "Mamãe-me-leva", o primeiro ônibus fabricado no Brasil. Trata-se de um modelo fabricado pela Grassi e com mecânica International. Os bancos indicavam que o brasileiro ainda se ligava aos bondes da época.

Enquanto isso em Santa Catarina, três catarinenses (Theodor Darius, João Hahn e Adolf Hass) se embrenhavam pelas estradas de barro numa Jardineira 1928, chassi GM, no desafio de operar o transporte regular de passageiros...e assim nascia a Viação Catarinense (Adquirida pelo grupo JCA, em 1995).

Outro "guerreiro" que marcou época: O GM Coach.

Em 1954, desembarcaram 30 modelos GM Coach da Cometa e de tão marcante, de tão imponente, eles recebereram um simpático apelido...

...MORUBIXABA, que em tupi-guarani significa "chefe da tribo". E os "chefes" da Tribo Cometa dominaram o eixo Rio - São Paulo por longos 20 anos. Além do Morubixaba e da Jardineira, estava exposto uma Jardineira de 1946, que simboliza o início do grupo JCA.

As fotos fazem parte do acervo exposto no stand do Instituto JCA, mostrando a história do Grupo JCA. Nesta foto, vemos que quando seu Jelson da Costa Antunes adquiriu a Auto Viação 1001 em 1968 a garagem era deste jeito (Aí, Ingá! Tome como exemplo esta foto hahahahahaha). Ele chegou e a empresa só soube crescer!

E não foi só de belos e raros exemplares (como esse chevrolet que fazia a linha CAMPO GRANDE x COMARI) que havia no Museu do Transporte/Fetransrio.

As miniaturas também deram o ar de sua graça...


...muuuuuuitas miniaturas!!!!

Como esse exemplar da saudosa Mosa, na linha 10 Mauá - Fátima (Detalhe: É URUGUAIANA, não ARUGUAIANA.). Uma empresa que teve seus altos e baixos até o dia em que virou ERIG.

Outra empresa que estava exposta e que já não existe mais é a INHAUMENSE! Mas ela revive na mente de quem a viu e nessa belíssima minatura.

E olha a Transportes Estrela aí gente! E ao vermos essa miniatura na linha 260, pensamos: "Como ela mudou: Do verde e laranja, virou azul e hoje a estrela brilha em sua frota. E dos carros grandes a 260 virou reduto de micrões".

E como nós, cariocas, gostaríamos que as próximas miniaturas fossem de verdade!!!!




Ah, imaginem eles cruzando a Avenida Brasil! Aliás, eles já foram uma realidade aqui na capital fluminense através da CTC-RJ...

...mas, hoje com a crescente micrãonização, contemplamos as miniaturas dos articulados de outros países e com os exemplares paulistas.

E falando em paulista, olha a Expresso Brasileiro aí geeeente!



E dois exemplares que já voaram pela Via Dutra: Um Monobloco MB O-355 e um . E ao fundo, uma foto com o Magnata: Nielson Diplomata encarroçado sob Scania 112 e que ainda demonstra sua força na calada da noite entre Rio e São Paulo.

Marcopolo II (ou seria III?) sob Scania 112 na Rio de Janeiro x São Paulo...

...Além do Magnata, havia o "Carioca". Mas, mesmo com o fim de tal serviço...muitos cariocas ainda vão para a Megalópole Brasileira.


Mas, o que seria isso?? Seria um dirigível?? Um Supositório gigante?? Não, era o Ônibus-Zeppelin.

Ele surgiu na década de 50 e seu inusitado design se deve ao fato do dono da empresa fabricante da carroceria ser um grande fã dos zepelins. Ieuuuu heim! Vai entender esse mundo!

Um clássico das estradas norte-americanas também fez presença na exposição: e dá-lhe Greyhound!

As miniaturas acima exemplificam um fato histórico: A de que as plataformas mecânicas foram fundamentais para a base de inúmeros ônibus brasileiros. E até hoje vem sendo!

Os monoblocos (carroceria e chassi de uma mesma encarroçadora) são a marca registrada da Mercedes-Benz: O O371 que o diga! Eita monobloco bunitcho!!!

Em resumo, o museu do transporte coletivo proporcionou a todos os visitantes uma viagem ao passado...


...ao presente...

...e a um tenebroso futuro (Que não venha a acontecer! Bate na Madeira, Dória!).

Masssss...nem só de ônibus se fez a Fetransrio!


Também tinha modelos de carros que fizeram história: Este, por exemplo, pertenceu ao 31º Presidente dos Estados Unidos da América: Herbert Hoover.


Como diria o saudoso Rony Cócegas e seu personagem, Galeão Cumbica: "Nooooo ARRRRRRR...". Um Lockheed da saudosa Varig (Viação Aérea Rio-Grandense S/A)

Navegaire éééé preciso, o pá!! E vamos encerrando essa visitação do RDV no Museu do Transporte e a cobertura da Fetransrio 2008 com uma das primeiras formas de transporte da outrora colônia portuguesa (vamos todos "chorar"de coração...ops, não resisti a piadinha...foi mal aê, 03!).



Abraço e tudo de bom!


Texto: Luiz Antonio Doria

Fotos: Leonardo Branco







Um comentário:

  1. Olá Amigos,
    Foi com grande surpesa que encontrei vosso blog. meu nome é André Rezende e fabrico miniaturas para o Museu do Transporte, de propriedade do Sr Eurico Galhardi, á uns seis anos. São de minha autoria, dentre outros tantos, o Mamãe Me Leva e o Daimler que abrem a exposição.
    Mais ônibus e miniaturas diversas podem ser vistos no meu blog; www.andrerezendemaquetes.blogspot.com
    Obrigado e parabéns pela excelente cobertura!

    André Rezende

    ResponderExcluir

Olá!

Sua opinião é muito importante para nós. Esperamos sua visita por aqui mais vezes.

Grande abraço e tudo de bom!

Tecnologia do Blogger.