Ads Top

O Lado B do Sistema Ferroviário Fluminense: A Estação Barão de Mauá

Recapitulando...

No primeiro post desta série que aborda os trilhos que não foram contemplados pela privatização do sistema ferroviário fluminense, mostrei uma prévia de como está a mesma nas mãos da CENTRAL, a autarquia estadual que sucedeu a FLUMITRENS: Abandonada e entregue a incapacidade do governo.

Hoje, vamos mostrar a quantas anda a estação que "homenageia" o pioneiro do transporte ferroviário brasileiro.

A ESTAÇÃO BARÃO DE MAUÁ

Irineu Evangelista estaria mui triste e decepcionado com a situação em que se encontra um de seus maiores investimentos...

O Ilustre Barão de Mauá investiu na construção de uma ferrovia que ligava Guia de Pacobaíba à Inhomirim. Nascia em 30 de abril de 1854 a Estrada de Ferro Mauá.

Em 1926, era feita uma bela homenagem a este nobre empresário...






Era erguido pela Estrada de Ferro Leopoldina (tendo a linha da E.F. Mauá estendida até a recém-inaugurada estação) após dezessete anos de muitas discussões e solicitações de autorização para o início de sua obra. O Governo desejava que a EFL, por meio de sua nova estação, comportasse o tráfego vindo da Linha Auxiliar da EFCB e da E.F. Rio D'Ouro.

A Leopoldina queria que a sua estação servisse somente ao trafégo da própria. E em 1934, a Leopoldina venceu a queda de braço com o governo, que não cumpriu a sua parte em não pagar a parte que lhe cabia na construção da nova estação.

Placa de inauguração da Estação Barão de Mauá pela "The Leopoldina Railway Company" com a presença do Presidente da República Artur Bernardes e do Ministro de Viação e Obras Públicas Eng. Francisco Sá (Próximo a Barão de Mauá, há uma estação com o nome dele).

Por estas plataformas e portões de embarque (Foto abaixo) circulavam pessoas que iam e vinham de localidades como Triagem, Bonsucesso, Olaria, Penha, Vigário Geral, Caxias...

...Gramacho, Saracuruna, Inhomirim e outras entre a Zona da Leopoldina e a Baixada Fluminense. Hoje, apenas são lembranças mescladas com o silêncio, o abandono...

...e o vandalismo imposto a majestosa estação: Toda a sorte de pixações e detritos de natureza orgânica entre suas paredes.

Hoje a Bilheteria contempla a solidão e as plataformas...

...tem servido para abrigar um triste capítulo na história do patrimônio ferroviário fluminense. Esse aí deve ter transportado milhares de passageiros nos ramais da CBTU Fluminense.

O Salão de embarque/desembarque outrora cheio até 2002 servindo como parada final do ramal Gramacho/Saracuruna, hoje convive com o silêncio e a lembrança de uma época de glamour: O Trem de Prata.

Seria este trem um dos que serviram a paulistas e cariocas?? Sendo ou não, é triste ver uma locomotiva a sofrer com a ferrugem e o descaso público.

Até 2002, a Barão de Mauá era a estação terminal do Ramal Gramacho/Saracuruna. Daí em diante, o trecho foi desviado para a Central do Brasil. A Supervia alegou redução dos custos operacionais.

Há projetos de revitalização da estação e uma delas envolve a reativação do serviço ferroviário denominado "Trem de Prata" que ligava Rio de Janeiro a São Paulo em trens de comboio de passageiros. O espaço poderia ser aproveitado também como museu ferroviário, preservando assim o patrimônio e a história do trem brasileiro.

Próxima parada...o Ramal de Guapimirim!

Abraços e obrigado pela sua visita!

Texto e fotos: Luiz Antonio Doria(A Foto do Barão de Mauá é da Wikipédia)
Fonte: Estações Ferroviárias.com e TremdeDoido

3 comentários:

  1. Excelente matéria !!!!


    Mas é simplesmente estarrecedor como uma estação de tão alta signifiância como essa que serviu inclusive de ponto de partida para São Paulo, através do saudoso e inesquecível TREM DE PRATA, que eu gostava tanto de ver à noite, no terraço do apartamento em que eu morava, em Olinda.


    Essa matéria me lembrou até de outra história que passei:

    Certa vez, enquanto estive inativo profissionalmente falando ou disponível para o mercado de trabalho (como queiram), fui a uma entrevista de emprego numa pequena transportadora de cargas em Cordovil.

    Na fila, teve um candidato que me chamou muita atenção pela experiência que ele tinha na área de transportes (e eu que nunca tinha trabalhado em transportadoras, mas de certa forma almejava, mas não nessa especificamente), fui prestando atenção a tudo que era dito e entrei no assunto.

    Em toda a conversa, houve um comentário feito por ele que eu nunca mais esqueci e fez com que eu ficasse ainda mais indignado com o descaso e abandono da malha ferroviária:

    "O Brasil é o ÚNICO país no mundo em que 80% (OITENTA POR CENTO) da sua produção é escoada por rodovias".

    E aí, fez-se uma inevitável comparação com os EUA.



    Esse cenário poderia ser bem diferente, tanto no transporte de cargas e principalmente no transporte de passageiros .

    ResponderExcluir
  2. Próxima parada: RAMAL GUAPIMIRIM.

    E será realmente uma das próximas !!!

    Estou com várias fotos tiradas no mês passado durante o trajeto do ramal.

    Só que acho que preciso refazer pelo menos uma parte do trajeto para pegar alguns detalhes que podem (e devem) constar.


    Afinal, como você mesmo diz, DETALHE É O QUE VALE !

    ResponderExcluir
  3. É, poderia ser diferente mesmo!

    Tem uma amiga da 'patroa' que defende que a Linha do Litoral (Ramal que começa em Niterói e abrange Itaboraí e Região dos lagos) deveria ser reativado para uso turístico.

    Penso em fazer algo sobre essa idéia dela.

    Agora, quanto a Guapi meu caro...teria como me ceder algumas fotos para tal post?

    Aguardo retorno. Grande abraço!

    ResponderExcluir

Olá!

Sua opinião é muito importante para nós. Esperamos sua visita por aqui mais vezes.

Grande abraço e tudo de bom!

Tecnologia do Blogger.