Ads Top

ARCOZELO E SUA ALDEIA - O santuário de Pascoal Carlos Magno, o São Francisco do Teatro Brasileiro

E voltamos com a segunda parte da minha visita a Paty do Alferes. Na primeira parte, apresentei um pouco da cidade e belas paisagens da aprazível localidade. Hoje, apresento-lhes a Aldeia de Arcozelo, que já foi a Fazenda da Freguesia e pertenceu ao Capitão-Mor Manoel Francisco Xavier, que durante muitos anos foi dos grandes produtores de Paty do Alferes e palco da mais importante fuga de escravos da região, liderada por Manoel Congo, localizada no distrito de mesmo nome.

Logo na entrada, a aldeia já exibe um belíssimo cartão de visitas: VERDE TE QUERO VERDE!

A seguir, nos encontramos com a figura de Rosa Carlos Magno, que dedicou sua vida e tempo a este magnifíco projeto.

Medalhas concedidas a Pascoal Carlos Magno

Mas, vocês devem estar se perguntando...ALDEIA? SANTUÁRIO DE PASCOAL CARLOS MAGNO? Mas, quem foi PASCOAL CARLOS MAGNO? E o RELATOS DE VIAGEM ETC. responde:

Paschoal Carlos Magno nasceu no dia 13 de janeiro de 1906, no Rio de Janeiro, filho de Nicolau Carlos Magno e de Filomena Carlos Magno.

Escritor e diplomata, bacharelou-se pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil, em 1929. A maior parte da sua carreira de diplomata foi passada na Inglaterra, onde serviu de 1933 a meados da década de 1940, exercendo funções consulares em Manchester, Liverpool e Londres. De volta ao Brasil em 1946, serviu mais tarde na legação brasileira em Atenas (1950) e em Milão (1955). Em 1957, foi oficial de gabinete da Presidência da República, durante o governo de Juscelino Kubitscheck. Participou também da politica, tendo sido eleito vereador no Distrito Federal em 1950.

Porém, foi como homem de teatro que Pascoal Carlos Magno se destacou. Criou, em 1929, a Casa do Estudante Brasileiro e, em 1938, o Teatro do Estudante do Brasil (TEB). Nesse meio tempo foi diretor artistico da Companhia Jayme Costa. Com o TEB, realizou diversas viagens – as chamadas "Caravanas da Cultura" –, promovendo o teatro pelo país. Em 1944, organizou o Curso de Férias de Teatro, ponto de partida do Teatro Experimental do Negro. Em 1952, inaugurou em sua casa em Santa Teresa, no Rio de Janeiro, o Teatro Duse, com o objetivo de promover o trabalho de novos autores. O Teatro Duse passou a ser uma importante referência ao desenvolvimento da dramaturgia brasileira, vindo também a constituir um criativo laboratório de atores e diretores.

Nomeado responsável pelo setor cultural e universitário da Presidência da República por Juscelino Kubitschek, desloca-se permanentemente pelo país afora, garimpando jovens talentos e lutando pela criação ou dinamização de espaços onde eles possam dar vazão à sua ânsia de aprender e criar. Em 1958, organiza em Recife o primeiro Festival Nacional de Teatros de Estudantes, reunindo mais de 800 jovens e dando início a uma tradição que prosseguirá até o sexto festival.

Nomeado, em 1962, secretário geral do Conselho Nacional de Cultura, realiza a Caravana da Cultura, reunindo 256 jovens artistas que percorrem os Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Sergipe e Alagoas, apresentando espetáculos de teatro, dança e música e realizando exposições de artes plásticas e distribuição de livros e discos. Uma iniciativa semelhante, a Barca de Cultura, que desce pelo Rio São Francisco de Pirapora a Juazeiro, é promovida por Paschoal já na década de 70. O golpe de 1964 o afasta dos centros do poder e prejudica a sua carreira diplomática. Sua última grande realização inicia-se em 1965, quando ele inaugura, no interior do Estado do Rio de Janeiro, a Aldeia de Arcozelo, da qual pretende fazer um local de repouso para artistas e intelectuais e um centro de treinamento para as diferentes áreas das artes.

Por diversas iniciativas em prol do teatro brasileiro, Pascoal Carlos Magno é considerado o "São Francisco do Teatro Brasileiro". Obra de Armando Maranhão, 1978.

A Aldeia de Arcozelo tinha em seu objetivo ser um local onde atores, atrizes, dramaturgos, jornalistas e pessoas envolvidas com o teatro e a dramaturgia brasileira pudessem se reunir e trocar idéias sobre essa temática e outras ligadas a arte contemporânea.

E depois de "imaginar e ouvir" uma bela melodia desse piano...

...contemplem essa maravilha de cenário, meus amigos! E próximo a sala de música e galeria da Aldeia, temos uma igrejinha e coreto, onde o verde reina ao redor deles.

E de frente para a igreja, uma cruz em madeira.

Belissímo Monumento!

Nos fundos da aldeia, ficavam o refeitório, o Teatro Renato Viana e a ala masculina.


Reparem no detalhe dos azulejos...

...Simplesmente fantástico!

E vamos ao Casarão da Aldeia!

Era aqui que Pascoal Carlos Magno descansava e realizava o debate de idéias sobre o cenário do Teatro Brasileiro.

Oratório

As acomodações do casarão são um convite a reviver os tempos em que a aldeia fervia em turbilhões de novas idéias.
E uma frase que estava escrita na parede do casarão me chamou a atenção.

Uma frase que deveria ser seguida e cumprida! E por falar em religião...

Essa capela é mais do que uma capela: É um monumento em homenagem aos que fugiram, lutaram e morreram em busca da liberdade. A capela de Nossa Senhora dos Escravos tem em sua fachada os nomes dos escravos que foram capturados na fuga de 1838. Hoje, a capela é o MEMORIAL MANOEL CONGO. E vamos ao momento histórico.

MANOEL CONGO, a história de um sonhador

Foi um escravo do capitão-mor Manoel Francisco Xavier, da fazenda da Maravilha, região de Paty do Alferes, no Rio de Janeiro.

Entrou para a história do Brasil, como o líder que fez tremer os sólidos alicerces do regime escravocrata fluminense nas terras do café. Foi em Paty do Alferes, que se desenrolou um dos mais importantes levantes de negros do Estado do Rio de Janeiro. Por volta da meia-noite do dia 5 de novembro de 1838, as portas das senzalas da Fazenda Freguesia eram arrombada e um grupo de negros cruzaram correndo o pátio em busca de suas mulheres que estavam no sobrado. Manoel Congo e Marianna Crioula iniciavam ali a saga que os levariam à história e que para ele seria o caminho da morte.

Este grupo liderado também por Pedro Dias, Vicente Moçambique, Antônio Magro e Justino Benguela, armado de facões e uma velha garrucha, invadiria, logo a seguir, a Fazenda da Maravilha libertando mais escravos e levando tudo que podiam carregar. Somavam em torno de 400 escravos fugindo nas matas da Serra da Estrela, a caminho da Serra da Taquara, onde encontrariam a definitiva liberdade.

O Capitão-Mor de Ordenanças, Manoel Francisco Xavier, proprietário das duas fazendas e de todos os escravos fugitivos, ainda que contra sua vontade, porém diante dos graves fatos, pediu ajuda as autoridades competentes na figura do Juiz de Paz José Pinheiro. O Juiz imediatamente enviou mensagem ao Coronel-Chefe da Legião de Valença, Francisco Peixoto de Lacerda Werneck, que viria a acionar a Guarda Nacional. Apenas 48 horas após o último levante, Lacerda Werneck já havia reunido 160 homens armados e prontos para a luta, que entrariam na densa mata, dispostos a caçar os negros aquilombados. Partindo a Fazenda da Maravilha, com algumas léguas e horas de busca, primeiro ouviram sons de machado seguidos de burburinho de vozes.

A tropa avançou angulada como uma cunha e exigindo a rendição de todos. Manoel Congo teve tempo apenas para incitar o ataque que iniciaria uma luta feroz, tendo como resultado na morte de muitos negros e dois soldados. A “preta de estimação” de D. Francisca Xavier, esposa do Capitão, Marianna Crioula, num gesto derradeiro, ainda gritou: “Morrer sim, entregar nunca!”, na exata hora em que era violentamente derrubada e espancanda com chutes, socos e coronhadas.

Ali foram presos, Manoel Congo, Justino Benguela, Antônio Magro, Pedro Dias, Belarmino, Miguel Crioulo, Canuto Moçambique e Afonso Angola e as negras Marianna Crioula, Rita Crioula, Lourença Crioula, Joanna Mofumbe, Josefa Angola e Emília Conga (Os nomes que estão estampados na fachada do Memorial).

Manoel Congo foi condenado e morreu enforcado em 6 de setembro de 1839. Considerado um símbolo da luta pela liberdade sua memória é venerada como a de um verdadeiro mártir.

Mariana Criola foi poupada a pedido de sua proprietária Francisca Elisa Xavier, futura baronesa da Soledade, mas obrigada a assistir a execução pública de seu companheiro.

"Compreenda, o heroísmo que representa a existência da aldeia no panorama cultural do Brasil..."
Pascoal Carlos Magno(1906 - 1980)

Pois é, amigos...após essa visita a Paty e a Aldeia de Arcozelo lembrei-me dessa frase escrita por Pascoal Carlos Magno, em uma carta redigida aos visitantes da mesma. E concluo que devemos compreender, entender, respeitar e não esquecer JAMAIS a importância da Aldeia de Arcozelo e o que ela representa para a cultura e principalmente para a história do Brasil.

DICAS DO VIAJANTE

Como Chegar

Vindo do Rio de Janeiro: Pegar a Avenida Brasil até o Trevo de acesso a Rodovia Presidente Dutra (BR-116). Seguir até o acesso a RJ-125, na altura de Seropédica e de lá siga direto passando pelos municípios de Japeri e Miguel Pereira (Distritos de Paes Leme, Mangueira, Conrado,Arcádia, Governador Portela, Barão de Javari e Centro de Miguel Pereira)

Linhas de Ônibus:

Rio x Arcozelo (saindo da Rodoviária Novo Rio)
MP74 Nova Iguaçu x Paty do Alferes (Estendendo até o distrito de Arcozelo)
Nova Iguaçu x Japeri / Japeri x Paty do Alferes
Preços e Horários: www.normandy.com.br

Vindo de São Paulo: Seguir pela Rodovia Presidente Dutra até o acesso a RJ-125, na altura de Seropédica e de lá siga direto passando pelos municípios de Japeri e Miguel Pereira (Distritos de Paes Leme, Mangueira, Conrado,Arcádia, Governador Portela, Barão de Javari e Centro de Miguel Pereira).

Linhas de Ônibus:

São Paulo x Três Rios
(Seção das Linhas SÃO PAULO x JUIZ DE FORA e SANTOS x JUIZ DE FORA)
São Paulo x Rio / São Paulo x Nova Iguaçu
MP70 Miguel Pereira x Três Rios
Rio x Arcozelo (saindo da Rodoviária Novo Rio)
MP74 Nova Iguaçu x Paty do Alferes (Estendendo até o distrito de Arcozelo)
Nova Iguaçu x Japeri / Japeri x Paty do Alferes
Preços e Horários:
www.viacaocometa.com.br
www.autoviacao1001.com.br
www.normandy.com.br

Vindo de Belo Horizonte: Pegar a BR-040 até Três Rios (ou seguir direto para Comendador Levy Gasparian e de lá seguir para Três Rios). De lá, pegue a BR-393 e entre na Cidade de Paraíba do Sul, em direção a RJ-131 passando por Werneck, Cavarú e Andrade Costa seguindo até o Distrito de Avelar (A partir de Avelar, você estará na RJ-125 e na cidade de Paty do Alferes). De lá, siga direto até Arcozelo e o Centro de Paty.

Linhas de Ônibus:

Belo Horizonte x Três Rios
MP70 Três Rios x Miguel Pereira

Preços e Horários:
www.util.com.br
www.normandy.com.br

Onde Ficar

Recomendo a Pousada Casa das Pedras, localizada na Rua Bruno Lucci, 456 no Bairro Vila Suiça (Tel. Contato 24 2484-6369).

Contato com a natureza, apartamentos super confortáveis e uma sala para o café da manhã bem rústica e típica do interior

E falando em café da manhã...

Hmmmmm!!! Bom demaissss!!!

Diária para solteiro a R$ 50/40, aptos. com cama, ventilador de teto, Tv e Frigobar.

E aproveito para agradecer o bom atendimento prestado por Armando e Renata. Um Abraço procêis!

Onde Comer

Em Paty do Alferes, recomendo a Cabana do Pajé (Paleta de Porco e Rocambole de Carne com Queijo e Presunto é boa pedida!). E em Miguel Pereira, a boa é ir na Pizzaria do Paulista, na Rua Coronel Julio Pitta, 103 no Centro de Miguel Pereira.

Volte Sempre! É o que pede Paty do Alferes aos seus visitantes!

Um Abraço a você, que visita o RELATOS DE VIAGEM ETC.
Até o próximo roteiro!

Fotos e Textos: Luiz Antonio Doria
Fonte Biografia Pascoal Carlos Magno: www.cpdoc.fgv.br e www.itaucultural.org.br
Fonte Biografia Manoel Congo : Wikipédia

Um comentário:

  1. josé carlos vecchio8 de julho de 2009 09:21

    Gostei demais desse seu roteiro por Arcozelo, pois lá estive em 1960 com um grupo de teatro de Porto Alegre-Rs, quando tinha 20 anos, na volta do Terceiro Festival de Teatro de Estudantes de Brasilia, e conviví com Paschoal Carlos Magno o que foi um previlégio. Deste-me uma idéia de pegar um avião e rever esse belo lugar qualquer dia desses. Um abraço e obrigado por me fazer recordar.

    ResponderExcluir

Olá!

Sua opinião é muito importante para nós. Esperamos sua visita por aqui mais vezes.

Grande abraço e tudo de bom!

Tecnologia do Blogger.